Si no recarga, haga click AquÍ

México

Miguel Ángel de Quevedo 218
Barrio Santa Catarina - Coyoacán
Teléfono: (+52 55) 5659 9060

Colombia

Cra 22 no. 84-36
Bogotá - Colombia
Teléfono: (+57 1) 742 0026

Ecuador

Av. Francisco de Orellana y Alberto Borges 
Edificio Centrum - Piso 6 Of. 2
Teléfono: (+59 3) 4 263 4044

Perú

 Av. Juan de Aliaga 360, Magdalena del Mar
(Edificio WeWork) - Lima

Brasil

Rua Pedroso Alvarenga, 691, Sala 1.501,
CEP 04531-011 - Itaim Bibi
Teléfono: 0800 580 0979

Chile

El Gobernador 020, Of. 402, Providencia
Teléfono: (+56 2) 2616 7300

Argentina

Av. Álvarez Thomas 198, Piso 5ºB
C1427CCO - Buenos Aires
Teléfono: (+54 11) 3027 3030

Quem Somos

Que em 2018 você continue criando e produzindo campanhas incríveis. 
Quanto as entregas, a gente se responsabiliza.

É líder no mercado latinoamericano
com operações na Argentina, Brasil,
Chile, Colômbia, Ecuador, México,
e Peru tendo realizado até o presente
momento mais de 200.000 envios aos canais de TV.

+ de 200.000 envios
+ de 1.000 canais conectados
+ de 600 agências
+ de 1.700 anunciantes
Serviços

A+V Zarpa permite organizar, administrar,
compartilhar os comerciais e consultar
o acervo histórico de forma instantanea,
em qualquer lugar e a qualquer momento.

A+V é uma plataforma
segura e confiável.

Ver vídeo

Upload
Coleção
Associar
Enviar
Acompanhament
Clientes
Notícias
BEM-VINDO À ERA DIGITAL!
Em breve, o Grupo RBS fará uma mudança importante para consolidar um ambiente 100% digital em suas operações.
Ler +
30/03/2017

Em breve, o Grupo RBS fará uma mudança importante para consolidar um ambiente 100% digital em suas operações.

A partir do dia 03 de Abril de 2017, será adotada a entrega digital dos materiais comercializados pelas emissoras do Grupo.

O comercial será recebido em arquivo digital através do sistema A+V Zarpa, empresa especializada na distribuição online de comerciais publicitários e homologada pela TV Globo e demais emissoras de TV aberta, PayTV, Cinema, Internet e OOH.

A A+V Zarpa é líder de mercado em toda a América Latina e foi a pioneira na entrega digital no Brasil, estando 100% adequada tecnicamente para atender as demandas do mercado publicitário na entrega dos materiais.

Durante o mês de Abril todos os envios realizados via A+V Zarpa para as emissoras do Grupo RBS estarão isentas de cobrança. A partir de 02 de Maio de 2017, os envios para as emissoras do grupo serão faturados pela própria RBS.

A A+V Zarpa não cobrará nenhum valor relativo a esse serviço específico.

noticia_rbs cuadros

Agora já é possível gerar arquivos para Twitter, Youtube y Facebook através de A+V.
Seleciona os destinos em “Media Online” e em poucos minutos receberá o arquivo para download no formato sol [...]
Ler +
07/10/2016
Seleciona os destinos em "Media Online" e em poucos minutos receberá o arquivo para download no formato solicitado pelos destinos.
Arizona Faz parceria com A+V ZARPA
O grupo de serviços para marketing Arizona fechou uma parceria com a A+V ZARPA...
Ler +
28/07/2016

O grupo de serviços para marketing Arizona fechou uma parceria com a A+V ZARPA, uma das quatro empresas homologadas pela Rede Globo para o envio digital de comerciais para serem veiculados na emissora.

As demais são Adstream, Adtoox e Casa Vaticano. A partir de agora, agências e anunciantes clientes da Arizona poderão usar a plataforma da Zarpa para mandas as produções publicitárias para a Globo. A Arizona já utilizava os serviços da parceira em outras mídias. O novo modelo de entrega da emissora de TV começa a valer a partir de 9 de maio para os materiais comercializados pela origens de venda São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife e Sul.

Globo oficializa entrega digital
Desde o último dia 6 a Rede Globo deu mais um passo para consolidar um ambiente 100% digital...
Ler +
02/06/2016

Desde o último dia 6 a Rede Globo deu mais um passo para consolidar um ambiente 100% digital em suas operações de publicidade, determinando a entrega exclusiva nessa modalidade de materiais comercializados nas praças de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife e Globo Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). A medida joga luz em quatro players do mercado de streaming publicitário: A+V Zarpa, Adstream, Adtoox e Casa Vaticano, únicas empresas homologadas pela emissora a prestarem esse serviço. Ao mesmo tempo, a decisão gerou polêmica no mercado de produtoras, diretamente afetado pelo novo direcionamento da Globo.

“Dificilmente um plano de mídia não possui a Globo e as pessoas precisam se reencontrar em um novo modelo de entrega de material”, defende Fabio Brancatelli, da A+V Zarpa, empresa que é fruto de uma fusão da chilena A+V com a brasileira Zarpa e integra o grupo IMD, que tem sede em Londres e atua em mais de cem países. O executivo diz que não existe outro tipo de entrega nesses outros mercados, apenas a digital.

LER MAIS

A fita foi pro céu, ou melhor, pra nuvem
Desde que foi mencionado pela primeira vez em um artigo de 1995, Disruptive Technologies: Catching the Waves...
Ler +
23/03/2016

Desde que foi mencionado pela primeira vez em um artigo de 1995, Disruptive Technologies: Catching the Waves, o termo inovação disruptiva te persegue.

Parece estar em todas as palestras e leituras. Sua agência, inclusive, foi uma das primeiras a se apropriar desse discurso. Não poderia ser diferente. No mundo digital de hoje, a palavra de ordem é reinventar padrões estabelecidos e trazer novas concepções e ideias. Pena que isso não é praticado com a mesma força em que atua no campo da teoria. Lembro-me quando, ainda nos anos 1990, uma inovação disruptiva chacoalhou o mercado. O fotolito virou filmless, substituindo mídia física por digital, numa época em que a banda de internet nem era tão larga assim.

Então por que será que, no Brasil, essa ideia revolucionária do meio impresso custou tanto a convencer também no meio eletrônico? Por que ainda são praticados métodos arcaicos que consomem tanto tempo e dinheiro, reduzem qualidade e segurança, agridem o meio ambiente e o valor do nosso mercado? Sim, estou falando da entrega do seu filme publicitário nos meios de comunicação. Para muitas agências, o que deveria ser uma etapa final em clima de comemoração, se torna o início de um tormento. Ninguém é capaz de dar um bom motivo econômico ou operacional que justifique o processo de fitas sendo checadas e trafegadas manualmente por profissionais com “job descriptions” mais relevantes.

Nem capaz de observar e absorver a tendência mundial do streaming, com plataformas de gestão que integram profissionais e processos. É a dificuldade de enxergar o simples, de romper barreiras. Para a sorte do mercado, uma importante emissora de televisão assumiu o controle e quebrou o paradigma, dando senso de urgência ao que nunca deveria ter esperado tanto tempo.

Nessa emissora, a partir do dia 9 de maio, as portas se fecharão para o recebimento de qualquer tipo de material que não seja digital e enviado por uma empresa de streaming. Certamente vai puxar a fila não somente nas demais emissoras de TV aberta e pay TV, mas também onde mais houver uma tela transmitindo um filme, seja no cinema, no elevador, na rua ou na internet.

É a boa e velha (mais velha do que boa) fita indo para o céu. Ou melhor, para a nuvem. Bom para os anunciantes, que reduzirão os custos exorbitantes de produção de cópias físicas e gerações por satélite. Bom para as agências, que terão verba de produção reinvestida em mídia e profissionais qualificados usando seu tempo de forma intelectual, em vez de grampeando envelopes e monitorando motoboys.

Bom para a empresa de streaming que preza pela qualidade, uma vez que esta emissora estabeleceu regras que favorecem a escolha pelo melhor fluxo, atendimento e alcance. O assunto está na pauta de todas as agências, e a escolha pelo parceiro de streaming virou a prioridade número um dos gestores operacionais.

É a inovação disruptiva dando poder de escolha ao consumidor, facilitando processos, revisando preços e tornando os serviços mais acessíveis. Bem-vindo ao século 21, em que só falar bonito não é mais suficiente, é preciso agir como um disruptor.

LINK

¨CLOSED CAPTION¨ Agita propaganda
Entrou em vigor no dia 3 deste mês de janeiro a obrigatoriedade do recurso Closed Caption em produções...
Ler +
15/01/2016

Entrou em vigor no dia 3 deste mês de janeiro a obrigatoriedade do recurso Closed Caption em produções audiovisuais brasileiras, incluindo nesse pacote os filmes publicitários.

A medida está inclusa na lei federal 13.146, sancionada em 6 de julho de 2015, criada para a inclusão da pessoa com deficiência. Com isso, todos os comerciais entregues nas emissoras para veiculação devem conter legendas acionadas pelos recursos dos aparelhos de televisão. A lei interfere diretamente no trabalho da propaganda em dois itens básicos: tempo de finalização e custo. Departamentos Jurídicos das agências estão recomendando, inclusive, que versões atualizadas de filmes já em veiculação sejam adaptadas, com novas claquetes. Algumas dessas agências providenciam o serviço internamente, quando mantém em suas sedes departamentos de produção, especialmente em caso de contas de Varejo. No mercado das produtoras, além do tempo adicional de finalização, de cerca de 12 horas, o trabalho vem proporcionando um custo adicional de até R$ 900 para cada peça.

Entre as empresas deStreaming, responsáveis pelo envio digital dos filmes às TVs, a A+V Zarpa vem acompanhando a evolução da aplicação da lei desde a sua sanção, há seis meses. A adaptação incluiu uma estruturação interna, com equipamentos e treinamento de profissionais, que resultaram numa equipe pronta para o trabalho a partir da exigência. “É importante que a Lei de Acessibilidade tenha enfim se tornado obrigatória e entrado em vigor, em respeito aos deficientes auditivos e visuais. Qualquer instrumento de acessibilidade beneficia não só os portadores de deficiência, mas também as marcas, que passarão a conversar com um novo universo de consumidores”, avalia Fabio Brancatelli, CEO da A+V Zarpa, do Grupo IMD, líder na América Latina. Com custo de R$ 200 e prazo de 2 horas por adaptação, a empresa iniciou o ano com um grande aumento no seu volume de negócios. “Estamos com alta demanda não só de trabalho, mas também de consultoria, intermediando a relação com todas as emissoras do país, com as quais somos conectados”, explica Alex Lima, diretor de Atendimento da A+V Zarpa e um dos pioneiros na implantação do streaming no Brasil.

Contato
Tipo de solicitação
CAPTCHA Image
Play CAPTCHA Audio
Refresh Image